Outubro_blog3

Ostentar on-line pode virar prova para pagamento de pensão

Pensão não é uma esmola, uma ajuda ou uma forma de extorsão. É um direito!

Mesmo sabendo que o dinheiro é destinado aos cuidados dos filhos, muitos pais/mães ainda se incomodam com o pagamento e fazem de tudo para reduzir os valores. 

Em alguns casos, o fato de o pai ou a mãe não ter carteira assinada é usado para justificar uma renda menor (ou instável) e, assim, solicitar redução no valor da pensão. 

O estilo de vida, no entanto, diz outra coisa: baladas, objetos caros, viagens internacionais, etc. 

Como não existe um salário fixo, o pai ou a mãe tenta tirar vantagem disso e afirma que sua renda é menor do que realmente é. 

Em situações assim, a mãe ou o pai pode, sim, utilizar os registros de redes sociais como prova na justiça.

Podemos dar como exemplo um caso que virou notícia há alguns anos, justamente aqui em Santa Catarina: o pai afirmava estar desempregado, vivendo de bicos, e pagava R$250/mês de pensão. 

Na prática, frequentava festas de 10 dias em Jurerê Internacional (Floripa), viagens de avião, jóias, dermatologistas caros, Iphone de última geração.

A ex-mulher reuniu todas essas informações em um dossiê para mostrar que, na verdade, o homem não tinha um estilo de vida compatível com aquele que ele alegava à justiça.

Pode ser que nem sempre o juiz considere essas informações como provas suficientes. 

Nem todos os tribunais aceitam esse tipo de prova. 

Há aqueles que consideram esse tipo de prova frágil, afinal, nem sempre a vida mostrada nas redes condiz com a realidade.

Porém, é possível que, vendo os registros, o juiz identifique uma incoerência na narrativa do pai ou da mãe e peça quebra de sigilo bancário e fiscal.

Em caso de dúvida ou não cumprimento do acordo de pensão, procure um profissional especializado.

Compartilhe este artigo.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Posts mais vistos