blog

Conheça o regime de Separação Obrigatória de Bens

Como o próprio nome já indica, a Separação Obrigatória de Bens é um tipo de regime obrigatório e imposto por lei (artigo 1.641 do Código Civil). Ou seja, é um único caminho possível para os noivos que estiverem nas seguintes situações: 

 

📍 um dos noivos tem idade igual ou superior a 70 anos;

📍 existem causas suspensivas de casamento

 

Ex: uma pessoa viúva que tiver filho do cônjuge falecido, enquanto não tiver feito o inventário dos bens do casal e a partilha aos herdeiros;

Alguém divorciado, enquanto a partilha de bens do ex-casal não tiver sido homologada ou decidida, entre outros casos;

 

📍 quando é necessário suprimento judicial

 

Ex: quando um adolescente de 16 anos quer se casar, mas os pais não permitem e precisa de uma permissão judicial.  

 

❗Atenção: não confunda a Separação Obrigatória de Bens com o regime de Separação Total de Bens❗ 

 

Esses dois regimes são instituídos em situações distintas, embora, na prática, tenham o mesmo efeito sobre os bens: fazem com que os patrimônios dos cônjuges não se misturem. 

Ou seja, em caso de divórcio não existirá nada a ser dividido e, em caso de falecimento, o cônjuge sobrevivente não será herdeiro do falecido se existir algum herdeiro necessário vivo (filhos ou pais).

No entanto, como na grande maioria das situações na área do Direito, existem exceções: um bem pode ser dividido quando ambos os cônjuges contribuem financeiramente para a aquisição dele. 

Para isso, é preciso que seja comprovado o esforço mútuo do casal. 

Ainda assim, cada caso deve ser analisado de maneira individual já que podem existir particularidades não abordadas nesta publicação. 

Por isso, este post é apenas informativo, não substitui uma consulta com profissional especializado de sua confiança.

Compartilhe este artigo.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Posts mais vistos